sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Eleições 2010...Em cima do muro, eu?



Será que dá para acreditar em pesquisas num Brasil tão corrupto quanto o nosso?
De acordo com o Datafolha, indecisos somam 4%. Mas algo me diz que esse número é bem superior.  Estamos a menos de 48 horas do segundo turno das eleições e tudo que sei é que ninguém merece o meu voto.        
    
Estou em cima do muro?
Sinceramente, essa é a eleição mais hipócrita que vou participar. Desde o lançamento das candidaturas, até o embate final neste domingo, fomos presenteados com um festival de denuncias. De dossiê fantasma a quebra de sigilo na receita, passando pela lei da ficha limpa (será que pega?). Como esquecer o caso do apedrejamento de bolinha? Pra fechar que tal uma dose de falso moralismo em relação a polêmica do aborto, que feio! Só pra agradar a igreja, porque será?

Por : Rosana Gabriela - (Twitter : @jornalistaPr)


Vamos aos candidatos, que de fato estão consumindo o meu sono nesses dias.  De um lado a temos a “companheira” Dilma Roussef(PT),  sempre  segurando a bandeira de mãe e na ponta da língua  o famoso discurso  “vou ser a  1ª presidenta do Brasil”. Ah sim, claro utilizando o gancho eleitoral da miséria atenuada no nordeste, após a implantação dos programas “luz para todos” e o “bolsa família”.

Particularmente, poderia se chamar bolsa esmola, distribuir renda sem planejamento adequado é muito amador, ou não! Na política nada é simplesmente por um acaso. Quem vai querer perder a mamata?  Na prática é assim: dinheiro = a alguns filhos na escola ou dinheiro = a consulta do pré-natal.  Sinceramente, como mulher não me sinto representada, será que sou machista?

Do outro lado, o ex- ministro da saúde José Serra (PSDB).  No seu programa avançaremos, e serão muitos investimentos, obras intermináveis, mais fantasiosas que a transamazônica. Você já deve ter observado que mais de 90% de suas propostas contemplam a saúde. Como diria o ex-candidato Plínio de Arruda Sampaio (PSOL):“hipocondríaco”.  Pior que isso, somente a amnésia bem conveniente que acometeu o candidato há algumas semanas. Poxa vida, alguém ai conhece o tal Paulo Preto? 

Enfim,  nada de novo, tudo quase que Ctrl C seguido de Ctrl V, um mudança nos nomes das “pseudo-s propostas”. Mas no frigir dos ovos, faz tudo parte da mesma omelete. Evidente, para tapear os eleitores e manter o clima lúdico, temos as cores e os símbolos: Estrela e tucano. 

Não deveria ser facultativo o meu direito de escolha? Tem coisa mais irritante do que a obrigatoriedade voto?  Se este fosse verdadeiramente um país democrata, eu  nem estaria aqui vomitando a minha indignação.  Quer prova mais específica de que não temos liberdade de escolha?  Pra que serve mesmo o titulo de eleitor? 
O mais irónico é que a eleição vai ser no dia das bruxas, perfeito!  Será um recado dos céus?
Boa sorte a todos!


2 comentários:

  1. OLÁ! PASSEI POR SITUAÇÃO SEMELHANTE, RS RS, RESULTADO NÃO VOTEI, ANULEI O VOTO, POR QUE NÃO POSSO VOTAR EM PESSOAS INCAPAZES.

    ResponderExcluir
  2. Eu, todavia, questiono> Quem somos nós?
    "Sois feito de pensamento, afeto e paixáo,
    o que resta é nada, além de carne e ossos." responde-me o mestre Rumi.

    O que é feito dos nossos pensares, energia
    imorredoura e criadora?

    Que egrégora é esta que estamos formando
    nos campos sutis do universo, aos quais náo
    acessamos mas que despejam sobre nós a fúria
    tantas vezes silenciosa que criamos e a
    eles entregamos?

    Somos o que pensamos?

    E a torcida do jacaré, qual o seu papel no
    cômputo geral das realizações que pretendemos
    para o bem comum? De que argila sáo feitos
    os nossos sentires, pensares, julgares e
    desejares?

    Estamos projetando nosso mundo interior em
    direção à massa crítica comum a todos?

    Somos responsáveis pela parte criadora
    dos nossos arraigados temores e preconceitos?

    Durmo e acordo e realizo cada dia com vistas
    à minha contribuição para a esfera mental
    do planeta.

    O que estamos enviando para a esfera mental
    do Brasil?

    ResponderExcluir